18.12.08

retrospectiva









tudo o que fiz
cabe numa caixa de sapatos


Fabrício Carpinejar
















Imagem de Rooze

8 comentários:

CNS disse...

Guardada no fundo do armário?

Um beijo

clarinda disse...

E numa caixa de sapatos cabe tanta coisa...

Beijinhos

comboio turbulento disse...

numa caixa de sapatos até cabe um par de sapatos para atirar ao Bush. Não é?

Jaime A. disse...

Quem não amei, os filhos que não gerei, as bicas tomadas obstinadamente a sós, o rosnar uma resposta a quem me interpelava, o desecorajamento duma qualquer relação.
O esconço quarto alugado em que passava as férias, mirando um Tejo trazendo e levando partidas e chegadas que eu nunca faria.
Para mim, Lisboa era o mês de Novembro: frio, preparando o chuvoso Inverno; o gozo que me dava ouvi-los a vilipendiar o tempo. Eu gostava daqueles dias: cada vez mais curtos em que cada vez mais cedo as ruas se iam esvaziando. E eu quase só, envolto na gabardina, águia avançando pelas bátegas duma água doce que me abençoava a garganta.
(...)
Abro cuidadosamente a caixa de sapatos; espreito docemente tudo o que fiz: caberia numa caixinha de sapatinhos de bebé.

moriana disse...

na prateleira junto ao tecto :)

bj.

moriana disse...

Cabem. Recordações de infância, neste momento.

(quase de partida)

bjs.

moriana disse...

Por exemplo, comboio turbulento ;)

abraço.

moriana disse...

Inocentes, então, como só os bebés conseguem ser.

Lisboa é bela, mesmo em dias enevoados e chuvosos. Descia as escadinhas, divertindo-me com as brincadeiras da chuva e do vento. Lembro-me...

abraço.