26.9.09

mexes os dedos na noite gasta para saberes se ainda consegues mexer os dedos. Consegues.





(...)
entre as flores há restos de búzios
de um azul muito claro. como os gestos
de uma ternura sobrevivente. como
folhas soltas que contivessem os gráficos
de mil olhares

como se fossem os estilhaços da lettera amorosa

que não escreveste nem recebeste mas existe.


Manuel Gusmão

4 comentários:

JFDourado disse...

Caramba, tenho mesmo que ler Manuel Gusmão...

:)*

comboio turbulento disse...

continua lindo este lugar. apetece sentarmo-nos e ficar a olhar, a ler, a ouvir

moriana disse...

Pois tens :)

bj.

moriana disse...

comboio, a minha vida ultimamente tem sido uma espécie de maratona
talvez acalme...ou não. que dê, pelo menos, para rascunhar umas linhas
:)