9.3.09

diários #14


Maquinalmente. As mãos. Os olhos. Afundam-se em mensagens, deixadas em descanso. Finalmente respondem a A., pressurosas, amáveis, as palavras. Um toque de cor, ameixa. Uma verdade, no texto. A mancha aumenta e cobre a cadeira. Os olhos imaginam a parede verde maçã ou verde tília e o contraste de cor, ameixa. Outra verdade, no texto. Breve, breve, A. vai encontrar as palavras. Estas. Manchadas de cor, tão amáveis quanto as outras, antes. Agora, ameixa, verde maçã ou verde tília e também marfim. Paredes, cadeira, o quarto. As mãos sentem a cor, sentem as palavras. As mãos soltam as verdades e os olhos lêem, agora. A. compreende. Compreende porque só agora.





Iamgem de Monis

8 comentários:

Filipe Oliveira disse...

pouco a pouco tudo fica mais claro

bjs

Sophia disse...

Às vezes basta um toque de cor!

;) baci

CNS disse...

A cor que pinga dos olhos...

clarinda disse...

Olá!

um puzzle este texto do teu diário. Como sempre gostaste.

A. de artista, é o meu palpite, mesmo que esteja errado.

Dias fartos de textos outros, testes piloto e dura, dura.

Beijinhos

moriana disse...

as cores fascinam-me :)

bjs.

moriana disse...

por vezes, sim
sophia :)

bj.

moriana disse...

e dos pincéis também :)

CNS

moriana disse...

Ir descobrindo, talvez.

(esse palpite é mesmo o que te desassossega, é mesmo teu)

A - início, primeira letra do alfabeto. Será o que cada um de nós quiser :)

Trabalho & trabalho. Falta ou farta. Diferença na letra do meio.

bjs.