17.11.08

diários #7




O cachecol macio a abafar a corrente de ar no estábulo, afinal José tem a cabeça colada e a lã vermelha disfarça o risco no pescoço. Pombas instalam-se nos ramos da árvore, as mensagens penduradas ao peito aquecem tanto como o cachecol tricotado do José. Este ano não haverá soluço escondido, nem olhar culposo entre o grupo, nem inventar que as fadas se atrasam ao domingo, nem saída à pressa a romper a manhã gelada pelos croissants quentes e pelas moedas do troco. Este ano não haverá dente a dormir debaixo da amofada nem cêntimos a tilintar junto ao colchão. Fadas, duendes, bolas, laços, cristais de estrelas e um sino quebram a solidão das pombas. Prometem ficar até ao dia de reis. Prometem deixar as mensagens, também. Matt escreveu. Vem passar o natal.



cerâmicas de palomasnest

10 comentários:

CNS disse...

Tão macio e quente este cheiro a Natal...

Ciranda disse...

Olá, minha linda! Revisitamo-nos. Que bom, que bom.

luís nunes disse...

não leves a mal o reparo mas tens um erro no texto, beijo.

moriana disse...

apetece-me muito este natal, nem sei bem porquê :)

moriana disse...

Tinha-te "perdido", foi bom o reencontro:)

(não são dois, o primitivo acabou naquele último post - não o posso esquecer, contudo)

moriana disse...

Não levo a mal, luís nunes:) fizeste bem em corrigir-me. Em geral, quando pego no computador e acedo ao blog, o cansaço já é muito. Tenho de reverter esta situação mas por enquanto apresenta-se difícil.

moriana disse...

(espero ter corrigido o erro no texto;)

luís nunes disse...

hum hum :)

clarinda disse...

Que bom o Natal!precisamos tanto dele.

Beijinhos

moriana disse...

natal como tréguas? e os outros dias do ano;)
bjs.